jueves, abril 25

Uma visão imersiva da imagem de Cristo em Planaltina

No sexto dia de 2024, o espetáculo cênico da ressurreição do Cristo do Morro Da Capelinha em Planaltina, a maior Via Sacra do Brasil, está no desafio final de dois ensaios. A apresentação do Grupo Via Sacra, que deverá receber cerca de 100 mil pessoas para o evento, terá uma grande surpresa segundo os participantes, no dia 29 de março.

Muita gente de todo o Brasil, e até de outros lugares do mundo, acima do Morro da Capelinha na sexta feira do país. Neste domingo (17), aconteceu o último ensaio geral da peça, o diretor do espetáculo, Júnior Ribeiro, explica que a Via Sacra é um teatro comunitário, feito para ele e por ele. “Então como as pessoas aprendem por osmose, porque é um lugar de muita admiração e paz. “As pessoas sonham em fazer certos papais.” Em segundo lugar, às vezes é com novos atores, e tentamos encontrar as personalidades de cada ator voluntário para agregar à produção.

O segundo elemento, desafio do grupo atualmente, está voltado para o cadastramento de figuras. “As pessoas sempre têm um time de figurinhas, mas nunca temos cadastro como estamos tentando fazer agora”, afirma. Junior considera que o namoro será diferente.

O diretor antecipa que este ano na encenação terá uma grande surpresa. “Mas as pessoas sempre trabalham um tema, e na hora da ressurreição isso aparece com muita força. “Esse é o nosso mote.” O tema deste ano é “Eis a minha alma amada”, retirado da Bíblia, em Mateus, capítulo 3, versículo 17.

Em Nome de Jesus Cristo, Rafael Gonçalves Moreira, 27 anos, está tranquilo, pois se sente estressado nesta peça, já viveu Cristo na Via Sacra das Crianças. “Então, durante todos esses anos, fui preparado pelo grupo. “Isso faz com que eu fique um pouco mais tranquilo, mas não ameace a responsabilidade”, reflete. O item procurado é preparado de forma muito significativa, tanto espiritual quanto fisicamente. “E também uma parte teatral, porque vemos os responsáveis ​​por isso.” Até o seu cabelo cresceu nos últimos dois anos.

Para Rafael, foi na Via Sacra das Crianças que o grupo aprendeu a amá-la e a valorizá-la. “Isso é para que as pessoas possam dar continuidade quando forem mais velhas.” Antes da Via Sacra, no sexto dia do dia, começa a Semana Santa como Domingo de Ramos, e depois do quinto da Lava Pés, momentos que também são comemorados pelo grupo. “A expectativa é muito positiva, estamos nos preparando desde janeiro, um trabalho muito intenso, muito trabalho, ensaios, preparação teatral, preparação espiritual, que é o mais importante. “Então, acredito que faremos um bom trabalho.” Não pode revelar a grande surpresa que o grupo está preparando para o público, exceto que é algo muito chocante. “Acho que essa é a palavra, tem um tempo que não acontece isso na Via Sacra, e eu acho que esse ano a gente sem pra prespreender mesmo”, finaliza.

Viva Maria, mãe de Jesus, e Giliana Ribeiro Miguel, 37 anos. Com 24 anos de grupo, esta é a primeira vez que atua em produção. “Na verdade, eu falo que não estou fazendo um personagem, porque Maria já é uma personae. “Tem características próprias”, ressalta. Para Giliana é muito mais que interpretar, é vivenciar a personagem, pois é a única forma de dar tudo à emoção, tudo à expectativa que o público também tem pelo elenco. Então é só vivenciar, estar em oração para alcançar.

Ela explica que participou de um processo seletivo aberto pela primeira vez em 51 anos, para o papel de Maria. “Chama: um sonho de ser Maria. “E várias mulheres do grupo estão increveram.” Quando veio à tona o resultado do processo e ela viu que seria Maria, ficou feliz, mas também muito apreensiva. “É uma responsabilidade representar essas personalidades para mais de 100 mil pessoas que nos atenderão.”

Nesse projeto religioso e cultural, apenas 1400 pessoas envolvidas. 1100 atores e 300 pessoas envolvidas na parte técnica. “Mais ou com certeza é o 1401, porque o Morro é sócio, e é mais importante, é o que faz a diferença na nossa Via Sacra, foi daqui que nasceu ou sonhou a Via Sacra”, diz Giliana. Ela acrescenta que as pessoas que vão atender também fazem parte do processo, inclusive porque subir o nariz exige esforço físico de todos que por ali passam.

Yohana Hanane, 33 anos, interpreta Maria Madalena pelo segundo ano consecutivo. Ela conta que tem 28 anos e que participa da Via Sacra, e sua ambição como personagem em 2023, era o ano em que todo o grupo completava 50 anos. Sobre a personagem que encarna, Yohana diz que Maria Madalena é uma mulher muito forte e está a estudar esta personagem que representa, porque não só o público tem uma expectativa em relação à actuação, mas ela tem uma expectativa pessoal da sua entrega.

Atriz busca estudar, não só o evangelho para atacar o lado que mais importa, ou a espiritualidade, mas também pesquisar em fontes científicas e historiadores para saber o que de fato era essa mulher. “Revelar essa questão se ela era prostituta ou não era? Ela foi considerada uma apóstola ou duas apóstolas por qual motivo. “Então, é traçar essas linhas para que o público sinta essa representação.”

Dê comunidade a comunidade

À medida que o teste geral ia sendo desenvolvido, algumas pessoas foram chamadas para acompanhar o desenvolvimento. Maria Evalda Oliveira, 76 anos, radicada, foi uma delas. Ela sempre nos viu participando da encenação da paixão de Cristo, mas recentemente ela passou a acompanhar os ensaios também. “É muito legal, muito legal. “Estou muito animado em ver esses jovens trabalhando.”

Na foto Maria Evalda Oliveira e Maria Silene Oliveira auxiliando no ensaio geral na Via Sacra – Foto: Amanda Karolyne/Jornal de Brasília

Preto Resende, coordenador geral do grupo, afirma que este ano é esperado um público de mais de 100 mil pessoas durante o evento de Páscoa. “Este ano a surpresa planeada é tão surpreendente que não sei do que se trata.” O pedido deve ser colocado no exterior, para visibilidade pública. “Uma surpresa aumenta as expectativas das pessoas”, acrescenta.

Possui visão de formação técnica e artística, sendo ex-aluno de Dulcina de Moraes. Ou que junto com a experiência de 39 anos no grupo, ele traça a religião e a arte a um lugar comum. Preto destaca que o objetivo quando o grupo foi criado era continuar evangelizando através da arte. “E com esse teatro aberto senti que poderia contribuir como profissional.”

Com a vivência da pandemia o grupo optou pelas lives para que o evento acontecesse, tudo muito em breve aconteceu e foi recebido por quase 172 mil pessoas que frequentavam a Via Sacra. A encenação da paixão de Cristo vai contar esse ano novamente, com lives e até com acessibilidade para pessoas com deficiência física, como intérprete de livros em transmissão, audiodescrição e espaço para PCDs.

Acessibilidade e inclusão de PCDs

O administrador de Planaltina, Wesley Fonseca Fraga, destaca com orgulho que a Via Sacra de Planaltina está completando 51 anos. “E ele também é integrante do Grupo Via Sacra, tem um conhecimento que vem de dentro dele.” Wesley afirma que neste momento todos os olhares do DF estão voltados para Planaltina, assim como para outras partes do Brasil, e que por isso a cidade recebe turistas de todos os lugares, e há um crescimento muito grande a nível populacional e a geração de renda com ou comércio.

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *