lunes, junio 17

O vírus da gripe aviária adaptado aos mamíferos marinhos

Os elefantes-marinhos na América do Sul morreram em grande número porque o vírus da gripe aviária adquiriu mutações que lhe permitiram espalhar-se entre os mamíferos, de acordo com um novo estudo.

A pesquisa oferece a primeira evidência genética e epidemiológica da transmissão do vírus da gripe aviária entre mamíferos. E as descobertas contêm um aviso: o vírus, chamado H5N1, pode transformar-se de forma semelhante e causar infecções em grande escala noutras espécies de mamíferos, incluindo pessoas.

O vírus da gripe aviária é responsável por um surto contínuo em vacas leiteiras nos Estados Unidos. Desde março, foi detectado em vacas de 11 estados e em águas residuais de vários outros.

O vírus também pode já estar a espalhar-se de vaca para vaca, mas as autoridades federais disseram que a explicação mais provável para o surto é que este se esteja a espalhar através do leite contaminado.

As vacas infectadas apresentam grandes quantidades de vírus no leite, que pode ser espesso e amarelado. Algumas vacas foram abatidas porque nunca voltaram à produção normal de leite, e algumas morreram de infecções secundárias, segundo um relatório da Reuters.

Presume-se também que o H5N1 tenha se espalhado entre visons em uma fazenda de peles na Espanha. Mas o novo estudo é o primeiro a reunir diferentes fluxos de evidências de transmissão substancial de mamífero para mamífero.

O estudo foi publicado online no sábado e não foi revisado por pares. Mas a análise genética do vírus e a escala e o momento das infecções em mamíferos marinhos na América do Sul sugerem que os animais adquiriram o vírus uns dos outros, e não de aves infectadas, disseram os investigadores.

“É uma combinação de factos que realmente apresenta provas convincentes de que existe algum tipo de transmissão entre mamíferos”, disse Marcela Uhart, que liderou o novo estudo e dirige o programa latino-americano de saúde da vida selvagem na Universidade da Califórnia, Davis.

Em 2022 e 2023, o H5N1 matou mais de 30 mil leões marinhos no Peru e no Chile, juntamente com alguns botos, golfinhos e lontras. Ele viajou pela costa do Pacífico e depois marchou de volta pela costa atlântica através da Argentina e entrou no Uruguai e no Brasil.

Em Outubro passado, houve um “tsunami de vírus” na Patagónia argentina que exterminou mais de 17 mil elefantes-marinhos, disse o Dr. Uhart, acrescentando que esses números tornam improvável que o vírus tenha passado de uma ave para um mamífero marinho todas as vezes.

A transmissão entre mamíferos é “quase a única explicação de como se espalhou por todo o extremo sul do continente e continuou a espalhar-se”, disse ela. “Honestamente, não há muitas outras maneiras pelas quais isso poderia ter acontecido.”

No novo estudo, o Dr. Uhart e seus colegas estudaram amostras de vírus de filhotes de elefantes marinhos e andorinhas-do-mar. A sua análise genética sugere que o H5N1 passou pelo menos três vezes de aves selvagens para mamíferos marinhos na costa do Pacífico da América do Sul, e depois evoluiu para se espalhar entre os elefantes marinhos.

A equipe apresentou alguns desses dados em pequenas reuniões, mas outros pesquisadores resistiram à ideia de que os mamíferos marinhos estivessem infectando uns aos outros, disse o Dr. Uhart.

Alguns cientistas sugeriram que todos os mamíferos foram infectados por pássaros. Mas a maioria das andorinhas-do-mar morreu cerca de três semanas após as mortes em massa de leões-marinhos e elefantes-marinhos.

Na verdade, o Dr. Uhart e os seus colegas encontraram evidências que sugerem que o vírus passou dos mamíferos marinhos para as aves – um desenvolvimento indesejável, porque as aves infectadas podem dispersar o vírus para onde quer que migrem.

Os pesquisadores encontraram o H5N1 nas traquéias, pulmões e cérebros de carcaças de mamíferos marinhos. Não está claro se o vírus se espalhou pelo ar ou por alguma outra rota. Mas em experiências de laboratório, o vírus demonstrou ser transmissível através do ar e através do contacto direto entre furões.

O vírus da gripe aviária retirado de animais marinhos continha 18 mutações que lhe permitiram infectar e espalhar-se entre mamíferos mais facilmente e aumentaram a gravidade da doença, descobriram os investigadores.

“O grande número de mutações” é motivo de preocupação, disse o Dr. Malik Peiris, virologista e especialista em gripe aviária da Universidade de Hong Kong, que não esteve envolvido no trabalho.

Em contraste, quase não existem mutações que representem adaptação a mamíferos nas vacas infectadas. “Mas isso pode ser uma questão de tempo”, disse Peiris.

Nenhuma das mutações afetou a hemaglutinina, ou HA, a proteína viral que se liga aos receptores em humanos e animais. Outros estudos sugeriram que as alterações no HA são cruciais para a propagação do H5N1 entre as pessoas e podem preceder mutações em outras partes do vírus.

Mas “mesmo que o HA não tenha mudado, existem outras mutações que podem ser preocupantes”, disse Agustina Rimondi, virologista do instituto de virologia INTA-CONICET em Buenos Aires, que liderou a análise genética.

Cada infecção proporciona ao vírus novas oportunidades de evoluir e adquirir mutações que podem permitir que ele infecte as pessoas com mais facilidade, disse ela.

Entre as mutações encontradas em vírus de mamíferos marinhos estão duas, D701N e Q591K, que alteram uma enzima que o vírus precisa para se replicar. Acredita-se que ambas as mutações sejam alternativas a outra mutação chamada E627K, que se acredita ser uma mudança fundamental necessária para que o vírus infecte mamíferos.

As mutações merecem uma investigação mais aprofundada, mas podem não ser seguidas pelas alterações necessárias no HA e não pressagiam necessariamente a transmissão entre as pessoas, disse Richard Webby, especialista em gripe do St. Jude Children’s Research Hospital, que não esteve envolvido no trabalho.

“As alterações nos receptores do AH facilitam o surgimento de outros, mas não creio que funcione ao contrário”, disse ele.

Dr. Webby advertiu contra pensar em todos os mamíferos como um grupo homogêneo.

“Não creio que os mamíferos marinhos sejam iguais aos humanos, em termos de suscetibilidade”, disse ele. “Talvez a replicação em mamíferos marinhos não faça com que o vírus seja mais capaz de infectar humanos.”

Deja una respuesta