miércoles, junio 19

ONU adiciona Israel e Hamas à lista de países e grupos que prejudicam crianças

As Nações Unidas irão adicionar Israel, bem como o Hamas, a uma lista de países e grupos armados que prejudicam crianças quando divulgar o seu relatório anual sobre crianças e conflitos armados, citando o pesado preço que a guerra em Gaza tem causado a menores, incluindo assassinatos, mutilações e fome, disseram funcionários da ONU.

Stéphane Dujarric, porta-voz da ONU, disse que o chefe de gabinete do órgão ligou para o embaixador israelense nas Nações Unidas, Gilad Erdan, na sexta-feira para informá-lo que Israel seria listado este ano. “A ligação foi uma cortesia concedida aos países recentemente listados”, disse Dujarric, “para avisar os países e evitar vazamentos”.

O Hamas, o grupo armado que liderou Gaza antes da guerra, será mencionado no relatório porque os seus combatentes raptaram e mataram crianças israelitas quando atacaram Israel em 7 de Outubro, disse um funcionário da ONU. Os grupos armados que prejudicam crianças em conflitos, como os Taliban e o Boko Haram, são frequentemente mencionados no relatório anual.

A notícia da inclusão de Israel na lista prejudicou ainda mais uma relação já deteriorada entre o país e as Nações Unidas.

Erdan chamou a medida de “uma decisão imoral que ajuda o terrorismo e recompensa os terroristas”. Ele fez uma gravação em vídeo da ligação e divulgou partes dela na rede social X.

Dujarric, o porta-voz da ONU, classificou a divulgação de uma gravação da chamada telefónica como “chocante e inaceitável e algo que nunca vi nos meus 25 anos ao serviço desta organização”.

O representante especial das Nações Unidas para as crianças e os conflitos armados prepara o relatório anual sob mandato da Assembleia Geral e do Conselho de Segurança. O relatório será apresentado aos membros do Conselho na próxima sexta-feira e divulgado publicamente em 18 de junho, disse Dujarric. O Conselho realizará um debate aberto sobre as conclusões do relatório ainda este mês.

Durante o ataque terrorista do Hamas em 7 de Outubro, homens armados raptaram crianças, algumas delas crianças e bebés, e mantiveram-nas como reféns em Gaza. As crianças também estavam entre os cerca de 1.200 israelenses e estrangeiros mortos.

A campanha de bombardeamentos retaliatórios de Israel e a guerra terrestre em Gaza mataram pelo menos 36 mil pessoas, dizem as autoridades de saúde de Gaza, uma grande parte delas mulheres e crianças. As Nações Unidas afirmaram que as crianças em Gaza também enfrentam fome e inanição porque Israel restringiu a ajuda humanitária. Muitas crianças também perderam membros ou ficaram gravemente feridas de outras formas.

Majed Bamya, vice-embaixador palestino nas Nações Unidas, disse em uma postagem sobre “

Deja una respuesta