jueves, junio 20

Autoridades dos EUA retornam ao Oriente Médio para pressionar por cessar-fogo

Esperava-se que William J. Burns, o diretor da CIA, chegasse a Doha, no Qatar, esta semana para conversações sobre a obtenção de um cessar-fogo em

Esperava-se que William J. Burns, diretor da CIA, chegasse a Doha, no Catar, esta semana para conversações com autoridades regionais sobre a obtenção de um cessar-fogo em Gaza, de acordo com uma autoridade dos EUA que falou sob condição de anonimato para discutir o viagem do chefe espião.

A viagem de Burns, o principal negociador americano, ao país do Golfo ocorre em meio a um esforço renovado para mediar um acordo para parar os combates e libertar reféns em Gaza, após meses de tentativas fracassadas. Brett McGurk, coordenador da Casa Branca para o Médio Oriente, também regressou à região esta semana para reuniões no Cairo, disse uma segunda autoridade norte-americana.

Um discurso do presidente Biden na semana passada delineando os termos do que ele disse ser uma nova oferta israelense aumentou as esperanças entre israelenses e palestinos de que um acordo para interromper a guerra de quase oito meses era finalmente iminente. Mas declarações de responsáveis ​​israelitas e do Hamas nos últimos dias sugeriram que um avanço ainda era difícil.

Uma das maiores lacunas entre Israel e o Hamas tem a ver com a questão de saber se um acordo de cessar-fogo levaria a uma trégua duradoura. Biden disse que a proposta de Israel acabaria por levar à “cessação permanente das hostilidades”, comentários que foram bem recebidos pelo Hamas. Mas o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu rejeitou terminar a guerra sem primeiro destruir as capacidades governamentais e militares do Hamas.

O Catar, principal mediador entre os dois lados, está “esperando por uma posição israelense clara que represente todo o governo”, disse na terça-feira um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores do Catar, Majed al-Ansari.

Não se esperava que as reuniões de Burns em Doha trouxessem grandes progressos, disse uma pessoa informada sobre as negociações, que falou sob condição de anonimato para discutir a delicada diplomacia. Yahya Sinwar, o líder do Hamas em Gaza e o suposto mentor do ataque terrorista de 7 de outubro ao sul de Israel, ainda tinha que opinar sobre a última proposta, disse a pessoa informada sobre as negociações.

A primeira fase da proposta apresentada por Biden exigia que ambos os lados observassem um cessar-fogo temporário de seis semanas, enquanto continuavam a negociar para chegar a um cessar-fogo permanente.

Numa conferência de imprensa na terça-feira, Osama Hamdan, porta-voz do Hamas, disse que a posição israelita mais recente comunicada ao grupo não incluía um cessar-fogo permanente ou uma retirada completa das forças israelitas de Gaza, ambos os termos em que o Hamas tem insistido. Israel, disse Hamdan, estava interessado apenas num cessar-fogo temporário para libertar os reféns, e então resumiria a guerra.

Ele disse que o Hamas informou aos mediadores que o grupo não poderia aprovar um acordo que não prevê um cessar-fogo permanente, uma retirada total das tropas israelenses e um “acordo sério e real” para a troca de prisioneiros palestinos por reféns.

“Apelamos aos mediadores para que obtenham uma posição clara sobre a ocupação israelita”, disse ele.

Deja una respuesta