jueves, junio 20

Presidente e ministro das Relações Exteriores do Irã mortos em acidente de helicóptero: atualizações ao vivo

A morte súbita do presidente do Irão, Ebrahim Raisi, abre um novo capítulo de instabilidade, num momento em que a cada vez mais impopular República Islâmica está empenhada na selecção do seu próximo líder supremo. Raisi, 63 anos, era considerado um candidato principal, especialmente favorecido pelos poderosos Guardas Revolucionários.

Mesmo antes do acidente de helicóptero que matou Raisi, o regime estava consumido por lutas políticas internas, enquanto o líder supremo, o aiatolá Ali Khamenei, 85 anos, o chefe de Estado mais antigo no Médio Oriente, estava com a saúde debilitada.

Mas dado que a República Islâmica enfrenta protestos internos, uma economia fraca, corrupção endémica e tensões com Israel, os analistas esperam poucas mudanças nas políticas externa ou interna do Irão. O Aiatolá Khamenei definiu a direcção do país e qualquer novo presidente não a alterará muito.

O sistema “já está numa trajetória para garantir que o sucessor do líder supremo esteja completamente alinhado com a sua visão para o futuro do sistema”, disse Ali Vaez, diretor iraniano do Grupo de Crise Internacional.

Ele descreveu “uma visão bastante dura” na qual áreas cruciais da política externa, como o apoio a milícias regionais por procuração e o desenvolvimento de componentes para uma arma nuclear, não vão mudar.

Quem quer que seja escolhido como próximo presidente, disse Vaez, “tem que ser alguém que esteja alinhado com essa visão, uma figura de proa subserviente”.

Ellie Geranmayeh, especialista iraniana do Conselho Europeu de Relações Exteriores, também vê continuidade nas principais questões de política externa, incluindo assuntos regionais e o programa nuclear. “Estes ficheiros têm estado sob o controlo do líder supremo do Irão e do IRGC”, disse ela, referindo-se ao Corpo da Guarda Revolucionária Islâmica, “com Raisi tendo pouca influência durante o seu mandato como presidente”.

“Raisi certamente foi útil para alguns fatos do IRGC”, disse Geranmayeh. Ao contrário do seu antecessor, Hassan Rouhani, Raisi, um lealista mais conservador, “não desafiou o IRGC nem em questões de política interna nem externa”, disse ela.

Mas as críticas ao desempenho de Raisi como presidente já levantaram questões sobre se ele era o melhor candidato para suceder o aiatolá Khamenei, disse ela.

O principal rival de Raisi era considerado o filho do aiatolá Khamenei, Mojtaba, de 55 anos, cuja candidatura foi prejudicada pela aura de uma sucessão monárquica.

Mojtaba Khamenei, centro, filho do líder supremo do Irã, o aiatolá Ali Khamenei, em 2019. Ele é visto como um potencial sucessor de seu pai.Crédito…Saeid Zareian/DPA, via Imagens Associadas

Com os líderes supremos anteriores argumentando que o governo hereditário sob o xá era ilegítimo, “eles teriam dificuldade em vender a liderança hereditária ao povo iraniano agora”, disse Shay Khatiri, pesquisador sênior do Instituto Yorktown, uma instituição de pesquisa focada em superpotências. concorrência.

A morte de Raisi pode dar a Mojtaba Khamenei um caminho mais fácil para suceder a seu pai. Mas o funcionamento interno da política religiosa e interna do Irão é deliberadamente misterioso, e a decisão final será tomada por um conselho de clérigos seniores conhecido como Assembleia de Peritos. Embora Mojtaba Khamenei, ele próprio um clérigo, seja considerado um dos favoritos do clero, a assembleia pode ainda decidir escolher um dos seus próprios ou ter uma liderança mais colectiva.

Seu pai, o líder supremo, trabalhou duro “para reduzir a imprevisibilidade dentro do sistema, preparando o presidente Raisi para ser potencialmente seu sucessor, e agora todos esses planos foram jogados pela janela e voltaram à prancheta”. disse Vaez. “Têm de organizar uma eleição interna” para o próximo líder supremo dentro do sistema “num momento em que o regime enfrenta uma grave crise de legitimidade a nível interno”.

Quanto às eleições públicas para o próximo presidente, que deverão ocorrer dentro de 50 dias, há preocupações quanto à indiferença pública.

O regime tornou-se cada vez mais divorciado da população, disseram Vaez e outros, ao reprimir a dissidência pública, incluindo as mulheres que protestam contra o código de vestimenta islâmico e a falta de liberdades.

Ao desqualificar “qualquer candidato que seja mesmo um crítico leal do sistema”, as eleições tornaram-se uma farsa, disse Vaez. “A República Islâmica concentrou-se realmente na conformidade ideológica no topo, em vez de na legitimidade vinda de baixo.”

Uma foto fornecida pela agência de notícias Moj mostra membros da equipe de resgate carregando o corpo de uma vítima da queda de helicóptero na segunda-feira no noroeste do Irã. Crédito…Agência de Notícias Azin Haghighi/Moj, via Associated Press

Isso produziu uma enorme apatia política, com menos de 10% dos eleitores em Teerão a comparecerem à segunda volta das eleições parlamentares há apenas 10 dias. “Tudo o que importa ao governo agora é uma transição suave para o próximo líder supremo”, disse Vaez.

Uma nova administração, disse Geranmayeh, “herdará uma economia falida e um contrato social ainda mais rompido com uma população que está profundamente frustrada com a República Islâmica”.

Externamente, os desafios também são grandes. O Irão e Israel atacaram-se directamente um ao outro em Abril, apesar de Israel já estar a combater os representantes militares do Irão – o Hamas em Gaza e, de forma menos intensa, o Hezbollah no Líbano. O Irão também patrocina os Houthis no Iémen, que atacaram a navegação no Mar Vermelho.

O Irão tem trabalhado para evitar uma guerra maior entre o Hezbollah e Israel, e um conflito directo com Israel é também algo que a República Islâmica não pode permitir-se.

Tem mantido conversações intermitentes com os Estados Unidos sobre a redução da escalada do conflito regional e sobre o futuro do seu programa nuclear. A morte de Raisi também ameaça complicar essas negociações.

“Embora não haja amor perdido em DC por Raisi, a instabilidade no Irão chegaria num mau momento”, disse Trita Parsi, especialista iraniana do Quincy Institute for Responsible Statecraft, tornando “a prevenção da escalada ainda mais difícil”.

Um sistema de defesa antimísseis operando no mês passado em Ashkelon, Israel, depois que o Irã lançou drones e ataques com mísseis. Crédito…Amir Cohen/Reuters

Desde o colapso do acordo nuclear com o Irão de 2015 em 2018, quando Donald J. Trump, então presidente, retirou-se do acordo, o Irão passou a enriquecer urânio muito próximo do grau de bomba, causando tensões também com o Centro Internacional de Energia Atómica. Agência.

O Irão voltou-se abertamente para um alinhamento mais estreito com os rivais americanos, especialmente a Rússia e a China, que outrora apoiaram o esforço internacional para restringir o programa nuclear do Irão, mas já não o fazem.

Ambos os países têm comprado petróleo do Irão, apesar das sanções internacionais, ajudando a manter a economia iraniana quase à tona. O Irã tem sido um apoiador crucial da guerra da Rússia contra a Ucrânia, vendendo-lhe drones de todos os tipos, bem como mísseis balísticos, em troca de ajuda no projeto de mísseis, dizem analistas.

Cada vez mais, algumas autoridades iranianas falam do programa como um elemento de dissuasão nuclear, mesmo quando o governo insiste que o programa do Irão é puramente civil, e o Aiatolá Khamenei nega que o Irão esteja à procura de uma arma nuclear.

O Corpo da Guarda Revolucionária é considerado cada vez mais poderoso tanto nos assuntos nucleares como regionais, tirando partido da saúde debilitada do Aiatolá Khamenei e do receio de instabilidade interna do regime. A grande questão é se os Guardas Revolucionários, já um importante actor económico a nível interno, se tornarão também mais abertamente poderosos politicamente.

Deja una respuesta