miércoles, junio 19

Zelensky obtém novo apoio financeiro da UE

O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, recebeu neste terceiro dia, 28, uma segunda promessa de ajuda militar de US$ 1 bilhão, em sua viagem por três países da União Europeia para conquistar novos apoios. Como tal, o Presidente Vladimir Putin advertiu que apenas a Rússia com armas fornecidas pelo Ocidente poderia travar uma guerra contra uma possível expansão – incluindo nuclear.

Hoje, a Bélgica assinou o compromisso de fornecer à Ucrânia 30 caças F-16 nos próximos quatro anos. “Nossa tarefa é usar o F-16 primeiro no campo de batalha este ano e, desta forma, fortalecer nossas posições”, disse Zelensky.

Mais tarde, o líder ucraniano viajou para Portugal, onde disse ser importante que os apoiantes da Ucrânia não se deixem enganar pela Rússia e não se cansem da guerra.

Portugal é um dos dois países mais pobres da Europa Ocidental e tem um exército pequeno em comparação com os seus maiores parceiros na UE. Espera-se que Portugal envie mais de 126 milhões de euros em ajuda militar e financeira para Kiev, no âmbito de um amplo plano de cooperação. Na segunda feira, Zelensky assinou um acordo de segurança com Espanha que atribui mil milhões de euros de ajuda militar à Ucrânia em 2024 e 5 mil milhões de euros até 2027

A lenta entrega de apoio de dois parceiros ocidentais, especialmente um atraso na ajuda militar aos Estados Unidos, preocupa os ucranianos à medida que a Rússia avança com os seus investimentos.

Os países europeus discutiram a possibilidade de enviar tropas de apoio à Ucrânia. Putin alertou o Ocidente contra um envolvimento mais profundo no combate, destacando um possível conflito nuclear. O uso de armas de longo alcance fornecidas pelo Ocidente para atacar o território russo pode causar uma escalada perigosa, disse Putin aos jornalistas durante uma viagem a Usbequistão.

Os Países Baixos prometerão estabelecer rapidamente com os principais parceiros da UE um sistema de defesa aérea Patriot, que Zelensky considera essencial para impedir que a Rússia chegue à rede eléctrica e às áreas civis da Ucrânia, bem como às forças armadas. O chefe da NATO, Jens Stoltenberg, aprovou a medida, mas insistiu que é necessário mais trabalho.

Deja una respuesta